Freed of London: sapatilhas de ponta em tons de marrom

Patricia Marrese, 4 de dezembro de 2018

(Conteúdo redigido para o Blog do Ballet Paula Castro)

Lançamento da Freed of London

Estaria o ritual de pintar as sapatilhas de ponta com maquiagem, para as deixar no tom de nossa pele, com os dias contados? A proposta para facilitar a rotina de bailarinas não-brancas foi desenvolvida pela marca inglesa, Freed of London, em parceria com a companhia britânica Ballet Black, para que bailarinos e bailarinas de ascendência negra e asiática tivessem maior espaço no mundo da dança.

Em novembro deste ano, a marca começou a comercializar dois modelos pensados exclusivamente para este público, uma na cor marrom e outra no bronze.

A norte-americana Gaynor Minden também possui uma coleção de sapatilhas de ponta nos tons nude/marrom, mas este novo lançamento dialoga sobre a falta de representatividade na dança, assim como as tradições impostas neste universo.

Em entrevista ao Estado de São Paulo, Cura Robinson, bailarina-sênior da companhia Ballet Black e que assina a campanha da Freed of London, explica que por quase toda a sua carreira tinha que pintar as suas sapatilhas para que elas combinassem com o tom de sua pele e, assim, começou a tingi-las com maquiagem. Processo que demanda tempo e dinheiro, mas acima de tudo, que possibilitou uma postura de liberdade para as bailarinas. “Foi incrível subir ao palco sendo eu mesma, 100% da minha cor”, recorda.

A sapatilha, com a função de dar leveza ao artista, não é o único aspecto que remete aos preconceitos e estereótipos deste segmento de atuação. “No balé, as pessoas têm um forte apego às tradições. Elas acham que usar meias marrons sob o tutu é de alguma forma errado.  Queremos mudar um pouco essas tradições”, relata Cura.

Uma evolução, não? Diferentes tonalidades e preferências de sapatilhas. Agora, as bailarinas não precisam mais pintá-las com nugget branco e base de rosto!

Por Patrícia Marrese

Categorias: Blog

Tags: , , , , , , , , , , , ,

Patrícia Marrese

Formada em Relações Públicas pela Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), é praticante de ballet clássico desde os seus sete anos, onde já dançou em escolas de dança, tais como Ballet Paula Castro e Emovere Studio de Dança.

Envie seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos

Ballet Stagium estreia novo trabalho no Teatro Sérgio Cardoso

Patricia Marrese, 16 de agosto de 2019

O Ballet Stagium estreia coreografia entre os dias 17 e 18 de agosto no Teatro Sérgio Cardoso. A obra traça um percurso da trajatória da cantora Elis Regina

Leia mais

Mundo Bailarinístico lança dicionário online e informal

Patricia Marrese, 9 de agosto de 2019

O Blog Mundo Bailarinístico foi pioneiro ao lançar o primeiro dicionário online e informal da dança que leva o seu nome: Dicionário Bailarinístico.

Leia mais

São Paulo Companhia de Dança na Sala São Paulo

Patricia Marrese, 1 de agosto de 2019

A São Paulo Companhia de Dança e a OSESP firmam nova parceria para quatro apresentações na Sala São Paulo: de 15 a 18 de agosto.

Leia mais